segunda-feira, 27 de março de 2017

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO MARTINISMO - I

 por: Adriano Soares


  (Assembléia das lojas da Soberana e Independente Antiga Ordem Martinista – Martinezista, Moscou, Rússia, abril de 2013.)
            “Acusados de sermos demônios por uns, clérigos por outros, magos negros ou alienados pela multidão, permaneceremos simplesmente Cavaleiros ferventes do Christos, inimigos da violência e da vingança; sinarquistas convictos, opostos a toda anarquia de cima ou de baixo, em uma palavra  permaneceremos: Martinistas” – (Papus. Martinesismo, Willermosismo, Martinismo e Franco Maçonaria, Trad. S.C.A).


Nos anais da história das sociedades (secretas) iniciáticas, dentre as organizações de caráter iluminista de maior influência no mundo, encontraremos a Ordem Martinista. Graças às suas ações, foi uma das principais organizações que influenciaram o desenvolvimento e surgimento de demais escolas e grupos semelhantes no Brasil e em outros países tanto da America do Sul, quanto em todo ocidente.

I. O QUE É O MARTINISMO?
Aqueles que pouco ouviram ou leram a cerca de tal tema, farão o seguinte questionamento: que é Martinismo? Resumindo em palavras simples e diretas pode-se dizer que o Martinismo é uma vertente preservada enquanto instituição, que sustenta um pensamento místico-filosófico advindo das influências dos escritos e ensinamentos de um místico maçom chamado Martinez de Pasqually, e de seus discípulos Louis Claude de Saint-Martin e Jean Baptiste Willermoz. Nos estudos e trabalhos desenvolvidos pelos adeptos do Martinismo e de sistemas correlacionados há referenciais simbólicos e alegóricos da tradição Cristã, Judaica, e Gnóstica. Seus aspectos filosóficos e ritualísticos também estão compreendidos em escolas de caráter sacerdotal gnóstico e no rito maçônico conhecido como Rito Escocês Retificado.
A escola inicialmente estabelecida por Martinez de Pasqually atuava restritamente por meio de um método chamado de Theurgico, ou seja, fazia uso da “Teurgia”, palavra que etimologicamente advêm do grego theoi, "Deuses", e ergon, "obra", que poderia ser visto como "Obra Divina" mas também "Obra de Deus" ou "produzindo a obra dos deuses". Tal expressão era utilizada como contraparte da expressão Teologia (Lógica de Deus), que meramente discutia sobre Deus (ou os deuses). No caso, a Teurgia ritualisticamente realizava a obra divina de Deus (ou dos deuses) por meio de ações tidas como cerimoniais, objetivando uma comunhão com Deus e seus agentes (Anjos, Arcanjos, etc), obtida através de preces, exercícios e estudos. Sendo assim, o inicio de todos os trabalhos e estudos de Martinez de Pasqually era visto como sendo uma prática mágica operativa e, aparentemente, externa.
Com o tempo, foi estabelecido por meio de um dos seus mais ilustres discípulos, Louis Claude de Saint-Martin, uma vertente prática chamada senda mística cardíaca ou, como se referem alguns, a via do coração, sendo esta uma Teurgia Gnóstica que teve como influência outros métodos advindos de vertentes variadas que focavam o desenvolvimento do ser por meio de seu trabalho interno.
A expressão Martinismo se deu em homenagem ao legado estabelecido por Louis Claude de Saint-Martin e aparece registrada inicialmente em algumas obras do abade místico francês Eliphas Levi (1810 - 1875), todavia foi por meio do médico francês (nascido na Espanha) Dr. Gerard Encausse (1865 – 1916), conhecido nos meios espiritualistas como Papus, que o Martinismo ganhou uma estrutura ritualística organizada e de caráter moderno.
Hoje, segundo documentos e dados contidos nas escolas (linhagens) que mantém e propagam a filosofia Martinista, alega-se que a ordem está ligada a uma tradição que tem raízes na Tradição Primordial, numa época em que o ser humano tinha o privilégio de comungar livremente com a Divindade, sem intermediações.
É comum ao estudante ou pesquisador que se debruça sobre a filosofia do Martinismo encontrar outros termos parecidos ou até mesmo curiosamente correlacionados com a expressão “Martinismo”, por exemplo, as expressões Martinezismo ou Willermorzismo. Com isso surgem muitas dúvidas ou até mesmo confusões, atribuindo o mesmo significado a várias organizações com ideais análogos e até bem semelhantes, mas com métodos e propostas diferentes. Para esclarecer um pouco tais questões, segue como continuação uma pequena síntese das ações e objetivos dessas organizações irmãs e ligadas à tradição Martinista.

II. ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE AS DIFERENÇAS ENTRE MARTINISMO, MARTINEZISMO, WILLERMORZISMO E PAPUSIANISMO:
II.1.  MARTINEZISMO
O Martinezismo é uma via que trabalha com o sistema estabelecido pelo mestre maçom Martinez de Pasqually (1710-1774), que enquanto ordem ficou conhecida pela alcunha de "Ordem dos Cavaleiros Elus Cohen do Universo - Ordem dos Cavaleiros Maçons, Sacerdotes Eleitos do Universo". 
A Ordem foi fundada em 1754, e em seus postulados encontram-se aspectos simbólicos da tradição hebraica, do cristianismo, e gnosticismo, além de práticas e liturgias operativas, de natureza ditas Theurgicas. Seu sistema é até hoje visto como herdeiro de uma tradição primordial e é alvo das mais diversas especulações. Alguns até chegaram a associar a influências de figuras como Alessandro di Cagliostro, e Emanuel Swedenborg.
 Uma de suas literaturas centrais é o “Tratado da Reintegração dos Seres Criados” de autoria do Próprio Pasqually. Seu sistema pretendia despertar no centro do ser uma consciência Christica que se manifestaria a níveis físicos ao ponto de fazer do adepto um Eleito, abençoado, um “Real Cruz”. Para alguns dos estudantes dessa tradição, tal consciência inicialmente se manifestava de forma peculiar e era chamada de “la Chose", que por sua vez foi erroneamente interpretada pelos profanos como uma manifestação semelhante aos fenômenos mediúnicos do Espiritismo. O sistema de Martinez, se fizermos uma comparação com as terminologias utilizadas por seu discípulo Saint Martin em sua obra “Dos Erros e da Verdade”, atua a partir do chamado “Livro da Natureza”, através do qual o estudante usa o meio externo para travar contato com o plano arquetípico (divino) e com isso alcançar a comunhão com as forças superiores.
Para Saint Martin o sistema de seu mestre Martinez não era algo que se adequava a todos os tipos de estruturas psíquicas, por isso Saint Martin percebeu que antes se fazia necessário uma estruturação e firmação de uma base no coração de cada buscador e, conforme suas condições, o mesmo iria despertar a consciência aos poucos e assim transcender em um processo íntimo, no qual o Christus seria desperto, reconciliando e reparando a natureza da parcela adâmica individualizada, tirando o ser da condição de “Torrente”, dando-o a segurança da sincera “Vontade” e levando-o ao “Ministério do Homem Espírito”. Ou seja, não muito diferente do que Levi dizia em relação aos quatro verbos divinos da Magia: “Saber, Ousar, Querer, e Calar”.

II.2.  MARTINISMO 
O Martinismo é um sistema que se baseia nos postulados e métodos do mestre filósofo francês Louis Claude de Saint-Martin (1743-1803) que, em seus primórdios, fora conferido a um círculo restrito de seus amigos e escolhidos de confiança. Há forte influência de várias correntes místicas, valendo destacar três em especial, os escritos e postulados do filósofo teutônico Jakob Böehme; a corrente preservada pela tradição ortodoxa e bizantina conhecida como Hesicasmo, que também influenciou grandes mestres, dentre os quais cita-se Jeanne Marie Bouvier de La Motte (Madame Guyon); e os próprios ensinamentos dos “Elus Cohen” de Pasqually.

Vale ressaltar que segundo o que é passado sobre a história da organização estruturada com a alcunha de Ordem Martinista, o único legado de Saint Martin deixado para seus amigos se tratava de uma iniciação simbólica em forma de benção, uma sagração resumida em um ato singelo mas poderoso, que astralmente conferia aos abençoados uma fortificação na vontade para assim alcançar a comunhão. Tal benção, não menos importante que algumas cerimônias dotadas de artifícios e paramentos, se resumia em apenas alguns toques, pontos, e duas letras. Foi graças a esse poderoso e tão singelo legado que o que conhecemos por Martinismo Moderno pôde surgir e se reformular. Tais como os ensinamentos dos Cohen, nos escritos de Saint Martin podemos encontrar peculiaridades que se enquadram em interpretações sob a ótica da Cabala, Cristianismo Primitivo e até mesmo do Gnosticismo.

II.3.  WILLERMORZISMO
O Willermorzismo é a vertente baseada nos postulados do discípulo de Pasqually, Jean Baptiste Willermoz (1730-1824), que por sua vez chegou a ser um dos membros do alto conselho dos “Elus Cohen”. Sua obra “O Homem-Deus” é tida por alguns estudiosos como uma das teses manifestas por sua condição de “Real Cruz”, inspirado pelo contato sutil com “la Chose". De forma semelhante atribuem tal importância à obra “Dos Erros e da Verdade” de Saint Martin. Nos métodos empreendidos pelo sistema de Willermoz encontramos diversas influências, dentre estas temos os pensamentos e sistemas de Pasqually, Joseph de Maistre, Saint German, Cagliostro, Dom Pernety, Salzman, e também de diversos ocultistas, franceses, italianos, alemães, etc.  
O sistema de Willermoz teve maior destaque na Maçonaria. Tornou-se o primeiro Grão-Mestre das Lojas Regulares de Lyon, foi o estruturador e criador do Rito Escocês Retificado, estabelecido tendo como grande influencia três significativas vertentes: o antigo Rito de Heredom; os postulados do Rito da Estrita Observância Templária (de onde veio a surgir os Cavaleiros Benfeitores da Cidade Santa, por meio da convenção celebrada em Wilhelmsbad em 1782); e o próprio sistema difundido pelo seu mestre Pasqually. 
Uma história curiosa que é levantada por alguns, é que Leon Hyppolite Denizart Rivail, conhecido popularmente por Allan Kardec, o codificador da doutrina espírita, supostamente foi membro da Grande Loja Escocesa de Paris, mas que antes teria recebido as “Luzes” da iniciação em uma loja de Lyon, na qual tinha como Grão Mestre Willermoz. Já a escritora Mme. Calude Varèze, em sua obra “Os Grandes Iluminados” (Paris,1948) vai um pouco mais além e diz que Kardec teria sido iniciado aos Elus Cohen por Willermoz. Por mais que essas suposições não passem de teorias, tal não isenta a possibilidade de que tenha havido um encontro entre Kardec e Willermorz.

II.4.  PAPUSIANISMO
Tal sistema é pouco referenciado pelo termo de Papusianismo, tendo em vista que seu método se baseia em um conglomerado de influências que buscam, por meio do casamento harmônico entre a Teurgia operativa - advinda da Elus Cohen de Pasqually - e a prática da Via do Coração - via benção/sagração dos iniciados por Saint Martin, despertar a consciência do ser rumo ao que nos postulados do Martinismo é chamado de “Reintegração”. Tal linha de atuação é vista como o “Martinismo Moderno”, sendo que o mesmo tem como herança iniciática as duas correntes principais citadas anteriormente e algumas outras correntes de influência filosófica e intelectual. A expressão Papusianismo é usada em alusão à figura do mestre Dr. Gerard Encausse (1875-1916), mais conhecido nos meios ocultistas pelo pseudônimo de Papus, um célebre médico, químico, alopata, homeopata, taumaturgo, astrólogo, quiromante, maçom, etc.

Papus foi o primeiro Soberano Grande Mestre da Ordem Martinista, de 1888 até a sua morte em 1916, tendo recebido em 1882 a livre iniciação de um senhor chamado Henri Delaage (que teria sido um membro do Conselho Supremo original da Sociedade dos Íntimos de Saint Martin, e que teria falecido após conferir-lhe as chaves da iniciação). Ao travar contato com outros supostamente detentores da mesma linhagem, dentre eles Pierre Augustin Chaboseau, o Dr. Encausse resolveu fundar uma Ordem Iniciática, que seria uma reestruturação da tradição de Louis Claude de Saint-Martin utilizando em sua homenagem a expressão “Martinismo”.
Vale salientar que, alguns estudiosos defendem que o termo Martinismo foi pela primeira vez citado e utilizado por Papus e Chaboseau, doravante muito antes encontramos tal nomenclatura e referência nas obras de Eliphas Levi (Dogma e Ritual de Alta Magia; e História da Magia), e na obra Zanoni de Sir Edward Bulwer Lytton. 

O sistema martinista moderno estabelecido por Papus alegava para si uma corrente iniciática tradicional fortificada por três iniciações recebidas pelo Dr. Encausse, sendo a primeira dada pelo Sr. Delaage, a segunda para fortifica e sanar o vácuo da árvore inciática de Delaage, que era um mistério, foi dada por Chabosea, e a terceira dada por Gregory Otthovich von Mebes no Soberano Capítulo Apolônio de Thiana de São Petesburgo - Rússia (entre os anos de 1904/1905). 

      Portanto o sistema Martinista/Papusiano, como dito anteriormente, é baseado em duas cadeias iniciáticas principais: Elus Cohen; a Sociedade dos Íntimos de Saint Martin; e também influenciada intelectual e filosoficamente por meio dos escritos e ensinamentos de Eliphas Levi, Saint-Yves d´Alveydre, Fabre d´Olivet, Louis Lucas, e o mestre Philippe de Lyon - este último, tanto de forma espiritual como devocional. Para uma melhor dinâmica e funcionamento, a ordem adotou posturas de caráter organizacional (com parâmetros, instrumentos, sinais, toques, e ferramentas) semelhantes aos que eram praticados e utilizados por ordens como a Maçonaria e a Rosa+Cruz.

A ordem Martinista de Papus é uma organização que desde sua estruturação pretende trabalhar as duas vias, a chamada senda Cardíaca como foco, e a Theurgica como secundaria e fortificadora das intenções sinceras de seus adeptos. Vale salientar que, dentre as ordens martinistas pós Papus, em exceção às demais existentes, a única que diz ter retirado de sua metodologia o conteúdo operativo Theurgico foi a Tradicional Ordem Martinista - TOM, mantida administrativamente pela Antiga e Mística Ordem Rosa Cruz - AMORC. Enfim, o que conhecemos como martinismo moderno só nos foi legado graças ao empreendedorismo iniciático de Papus e de seus continuadores, ardorosos cavaleiros do Martinismo.

III. O QUE É ESTUDADO NO MARTINISMO MODERNO?
O presente conteúdo se trata de um enxerto do livro “ABC do Ocultismo, de Papus”. Retirado da tradução da edição da Sociedade das Ciências Antigas (SCA) publicada pela Editora Martins Fontes. 
Para o martinista, é inútil demorar-se sobre o começo dos estudos psíquicos. Enquanto os homens da ciência ou os chamados espíritos "positivos" que se iniciam nos estudos do Ocultismo passam a maior parte de seu tempo tentando saber se os fenômenos de magnetismo e mediunidade são exatos, o martinista considera isso como dado.
Deixa aos outros, portanto, essas discussões infantis sobre a boa fé dos médiuns e sobre o adormecimento real dos sujeitos: ocupa-se com problemas mais elevados. O que os martinistas precisam é, primeiro, uma ideia geral do Ocultismo, em suas duas principais tradições, a do Ocidente, ou cabalística, e a do Oriente, ou sânscrita, ambas, aliás, oriundas do antigo Egito.
A seguir, precisam de ferramentas positivas para investigar as ciências antigas, de modo que possam verificar os nomes próprios e as palavras sagradas empregadas. Essas ferramentas são as línguas sagradas da Antiguidade ou, antes, seus primeiros elementos, para poder verificar cada termo em um dicionário. O martinista deverá, portanto, estudar três alfabetos:

1.           o alfabeto hebreu;
2.           o alfabeto sânscrito (devânagari);
3.           o alfabeto egípcio.

Uma vez de posse desses instrumentos, deverá aplicá-los ao estudo da Cabala e do Hermetismo, depois ao estudo do Simbolismo e da Franco-maçonaria em seus diversos ritos. Aí então o martinista estará em condição de aplicar seus conhecimentos, agindo no plano invisível. O Misticismo, a Teurgia e a Psicurgia deverão atrair particularmente sua atenção. Os livros não são mais do que instrumentos destinados a dirigir a meditação cerebral e preparar a digestão e a assimilação intelectuais.
A seguir, damos um modelo do ciclo de estudos, que poderá ser modificado por cada estudante e servirá de guia geral. Cada ciclo pode compreender um mês, de modo que os estudos completos podem ser realizados em dezoito meses. É claro que esse ciclo pode ser aumentado ou diminuído pelo estudante, conforme sua rapidez de compreensão ou seus estudos anteriores.




I.
1.           História das raças humanas, tradições, etc.
2.          Teoria geral e Filosofia (Saint-Martin, Saint-Yves d'Alveydre, etc.).
3.           Uma língua sacra: hebreu.
4.           Psicurgia (primeiros elementos práticos).
II.
1.           História e simbolismo (Sociedades secretas e Maçonaria).
2.           A Cabala.
3.           Uma língua sacra: o sânscrito.
4.           A Magia e as adaptações (Hipnotismo, Magnetismo, Orações).
III.
1.           História da Alquimia e da Rosa-Cruz (Martinismo).
2.           As religiões do Oriente: Budismo, Bramanismo e Taoísmo.
3.           Uma língua sacra: o egípcio.
4.   O Espiritismo: sua transformação desde a Antiguidade; sua adaptação.
IV.
1.           Os Cultos e seu esoterismo em todas as religiões.
2.           A antiga iniciação no Egito; a Pirâmide e o Templo.
3.           O Hermetismo; A Alquimia; A Astrologia; O Arqueômetro.
4.    A Maçonaria prática: constituição de um rito; as diversas adaptações sociais.

IV. RECOMENDAÇÕES BIBLIOGRÁFICAS: 
Freqüentemente encontro irmãos ou irmãs que, por determinados interesses, perguntam sobre quais obras poderiam ter uma noção introdutória ao que é estudado e trabalhado pela filosofia reintegrativa do Martinismo. Nesse sentido, para quem nunca se prontificou à leitura de algo no estilo de Louis Claude de Saint-Martin, Jakob Böehme, Jean-Baptiste Willermoz, Martinez de Pasqually, e até mesmo Eliphas Levi e outros que surgiram influenciados pelo romantismo místico filosófico do final do século XVIII, possivelmente terão algumas dificuldades em entender suas obras.



Aproveitando a deixa, compartilho com os irmãos uma lista de obras que creio serem úteis aos que procuram entender introdutoriamente um mínimo da filosofia martinista e a sua vasta abrangência literária. Deixo claro que o próprio Martinismo evidencia que o verdadeiro caminho para alcançar a Grande Obra encontra-se no próprio homem, e não em livros de papel ou mestres externos. Essa lista trata-se de uma recomendação aos que estão iniciando ou que se interessam pelo Martinismo, filiados ou não a uma linhagem martinista.

     IV.1. LISTA:
1 – Tratado Elementar de Ciência Ocultas (Volumes I e II) – Autor: Papus – Editora: Três; 
2 - O Martinismo: História e Doutrina – Autor: Robert Ambelain – Tradução da Sociedade das Ciências Antigas (disponível em PDF);
3- Martinezismo, Willermozismo, Martinismo e Franco maçonaria – Autor: Papus, – Tradução da Sociedade das Ciências Antigas (disponível em PDF);
4- ABC do Ocultismo – Autor: Papus – Editora: Martins Fontes;
5- Os Arcanos Maiores do Tarô – Autor: G.O. Mebes - Editora: Pensamento;
6 - Introdução ao Pensamento Filosófico de Saint Martin e Jacob Boehme - Autor: Adílio Jorqe Marques – Editora: Sapere;
7- Tratado Elementar de Magia Pratica – Autor Papus - Editora: Pensamento;
8 - Ritual da Ordem Martinista – Autor: Téder - Editora: Incógnito;
9 - Sursum Corda – Autor: Xavier Cuvelier-roy – Editora: AMORC;
10 - Temas de Ocultismo Tradicional – Autor: Sar Percival - Tradução da Sociedade das Ciências Antigas (disponível em PDF);
11 – Zanoni – Autor: Edward Bulwer-Lytton – Aditora: AMORC;
12 - História Filosófica do Gênero Humano – Autor: Antoine Fabre D'Olivet – Editora: Ícone; 
13 - Teodiceia psíquica - Os princípios psíquicos de bem e mal no paradigma junguiano e sua discussão no midrash judaico-cristão de Martines de Pasqually - Autor: Ivan Correa – Editora Incógnito;
________________________
Após a leitura de algumas dessas obras, o estudante já poderá iniciar de forma mais proveitosa um estudo inicial das seguintes obras de Pasqually, Saint Martin, Jakob Böehme, e Willermoz:
Dos Erros e da Verdade – Autor: L.C. Saint-Martin – Editora: AMORC;
O Homem Deus- Autor : J.B. Willermoz – Editora: AMORC; 
Jakob Böhme: O príncipe dos filósofos – Editora: AMORC; 
---------------------O Caminho da Iluminação - Attar Editorial;
Martines de Pasqually - Tratado da Reintegração dos Seres Criados.
___________________________
OBS* A seqüência de leitura dos livros fica ao critério de cada um. 

V. PERSONALIDADES DE CARÁTER PÚBLICO QUE SUPOSTAMENTE TIVERAM LIGAÇÃO COM A TRADIÇÃO MARTINISTA:

Jacques Cazotte - Escritor e filosofo francês (1719 – 1792)










Honoré de Balzac – Escritor francês (1799 – 1850) 
Alexandre Dumas - Escritor francês (1802 – 1870)


Victor Hugo - Escritor francês (1802 – 1885)

Claude Debussy - Músico e compositor francês (1862 – 1818)
Octave Denis Victor Guillonnet – Celebre Pintor francês (1872 – 1967)
Nikolái Alieksándrovich Románov, (Nikoláu II) - Czar da Rússia (1869 – 1918)
Vitória Alice Helena Luísa Beatriz de Hesse (Alexandra Románov) - Czarina da Rússia (1872 – 19180)

Angelo Giuseppe Roncalli - Papa João XXIII - (1881 - 1963)


VI. REFERÊNCIAS
AMBELAIN, Robert. O Martinismo: História e Doutrina. Tradução da Sociedade das Ciências Antigas (disponível em PDF);
FRÈRE,Jean-Claude. Vida e mistérios dos Rosa+cruzes. Ed. Pensamento;
LEVI, Eliphas. Dogma e Ritual da Alta Magia. Ed. Pensamento;
___________História da Magia. Ed. Pensamento;
___________Os Paradoxos da Sabedoria Oculta. Ed. Pensamento;
LYTTON, Edward Bulwer. Zanoni. Ed. AMORC;
PAPUS. Tratado Elementar de Ciências Ocultas. vol. I & II. Ed. Três;
______Tratado Elementar de Magia Pratica. Ed.Pensamento;
______Martinesismo, Willermosismo, Martinismo e Franco Maçonaria. Trad. S.C.A;
PLANETA Nº 24, Revista. O mago das ciências ocultas. Ed. Três;
SABLÈ, Erick. Dicionário dos Rosa-cruzes. Ed. Madras;
TELES, Fídias. Estudos de Parapsicologia. Ed. Berthier.

Hermanubis  Martinista - http://www.hermanubis.com.br
Sociedade das Ciências Antigas - http://www.sca.org.br
  






Nenhum comentário:

Postar um comentário